Pular para o conteúdo principal

Dalva Frango Frito

Eu sabia que ela era loira e tinha acabado de ganhar uma premiação de Miss numa cidade do interior de Goiás. Eu também sabia que ela foi o pivot da separação dos meus pais, motivo pelo qual eu tinha rancor e até uma porção generosa de ódio por aquela moça. Eu dizia pra minha família que iria matá-la quando a conhecesse, e por mais que as pessoas tentassem aplacar os meus sentimentos revoltados de adolescente de 11 anos, eu seguia adiante com minha raiva e queria mesmo dar umas bofetadas nesta loira que levou meu pai pra longe de casa.

Mas eu não tenho coragem de matar um mosquito. Muito menos uma Miss. E me portei educadamente quando meu pai apresentou sua nova namorada para minha irmã e eu. Aconteceu tudo muito rápido, ele queria nos apresentar sua loira no dia seguinte à assinatura dos papeis do divórcio, mas minha mãe intercedeu e pediu que ele tivesse um pouco de compaixão com nosso sofrimento (inclusive com o dela), e nos apresentasse à sua namorada depois de algum tempo.

Isto aconteceu. Conhecemos a Dalva depois de um mês que meus pais se separaram. Eu achei ela brega, ela tinha uma cabeleira loira que batia nas nádegas. Mas era esbelta. Ela tinha uma beleza caipira, porque ela tem de fato, raízes caipiras. No geral, achei ela simpática. Perdi a vontade de matá-la logo no primeiro encontro. Felizmente.

Não demorou muito para que ela morasse junto com meu pai. Digamos que o amor deles era muito platônico e urgente, não podia esperar muito para se manifestar e se concretizar, a despeito do sofrimento das demais partes envolvidas. Minha mãe, minha irmã e eu nos mudamos para Goiânia com o coração às migalhas, mas tínhamos uma à outra e estávamos dispostas a recomeçar. E assim fizemos.

Mas a Dalva não sumiu das nossas vidas. Eu e minha irmã visitávamos meu pai no interior 2 vezes por mês. E tivemos que nos hospedar na casa dele, junto com a Dalva. Ai meu Deus. Ela tentava muito nos agradar. E eu gostava do esforço dela. Quanto mais ela tentava, mais eu me sentia forte, era como se ela tivesse uma dívida pessoal comigo que seria quitada à base de muitos mimos.Muuuuitos mimos. E um destes mimos era o frango frito.

A Dalva preparava o melhor frango frito que eu e minha irmã já experimentamos em nossas vidas. E vinha acompanhado de batata frita. Para duas adolescentes da geração Mc Donalds, não havia nada melhor que batata frita e frango frito. E Dalva sabia disso. Era pisarmos o pé na casa deles que ela fazia frango frito. E a gente ficava feliz. Eu até fazia piadinha com ela por telefone:

- Dalva, vamos almoçar frango frito Hoje. Frango frito amanhã. Frango frito no final de semana todo, Ohhhh meu pai! É frango demais.

Eu já estava me acostumando com combinação: Dalva + frango frito. Mas eu tinha meus momentos de rebeldia. Uma vez eu peguei a boneca da Dalva (ela gostava daquela boneca grande chamada Meu Bebê e tinha uma na poltrona ao lado de sua cama) e a arremessei no chão. Fez um barulho alto, e eu gostei da brincadeira. Minha irmã estava filmando a cena e eu peguei a boneca e bati mais umas 5 vezes com a cabeça dela no chão. A Dalva estava fazendo o que? Frango frito. E daí ela me viu espancar a boneca dela e começou a rir. Eu e minha irmã também caímos no riso. E depois disso guardei a boneca na poltrona. Acho que através desta surra na boneca da Dalva eu tirei de mim qualquer resquício de mágoa que eu tinha por ela. E a partir daí nossa convivência se tornou muito especial.

Ela nos emprestava roupas pra ir pra balada, fazia hidratação em nossos cabelos com ovo e babosa e seguia fritando frango todo final de semana. E nós também fazíamos muito por ela. Muito dadas as nossas proporções. Comprávamos presentes pra ela em Goiânia, pagávamos o X-tudo dela quando saiamos no interior... enfins, estávamos equilibrando o mimo, que passou a ser bilateral. Não havia mais dívidas emocionais, e minha mãe foi uma peça chave nesta equação, pois ela nunca plantou em nós ressentimentos para com Dalva ou meu pai.

Foi a Dalva que me ensinou a dirigir. Minha Irmã não tinha paciência, mas Dalva tinha de sobra. Ela tinha um Palio laranja e foi neste carro que tive minha primeira lição de motorista. Eu não conseguia tirar o Palio daquela rua plana. Mas com a calma da Dalva eu fui arrancando, fazendo ela pular no carro, e a bichinha toda paciente comigo... eu nunca vou me esquecer disto.

Em muitas outras situações, eu consegui perceber o carinho da Dalva comigo. E eu também tinha um grande carinho por ela. O começo da nossa relação foi marcado por muita mágoa. Hoje percebo que para ela deve ter sido muito difícil encarar aquela situação nova e desafiadora, pois éramos duas adolescentes, uma de 11 e outra de 12 anos. E ela devia ter uns 26 anos. Meu pai, bem mais velho. Mas todo mundo tentando ser feliz e ser amado.

Há muito tempo a Dalva saiu da vida do meu pai, e eu sinto muito por isto. Quando me lembro dela, eu sinto um nó na garganta... me dá uma vontade imensa de chorar. Porque foi ela que me ensinou, através de tantos frangos fritos, que o amor nasce nas circunstâncias mais improváveis. E nos acompanha pela vida inteira, inclusive numa manhã gelada no interior da Alemanha. 

Dalva, minha ex-madrasta querida, sei que você nunca lerá este texto, mas eu queria pedir desculpa por ter esbofetado sua boneca. Sei que você refez sua vida e hoje tem uma bela filhinha. E eu desejo toda a felicidade do mundo para vocês. Desejo também que algum dia possamos nos reencontrar. Vou te mostrar o quanto dirijo bem.
E Dalva, daria pra você fazer um Frango Frito quando a gente se ver?
Saudades...

Márcia

Comentários

  1. Relacionamentos sao tao complicados, ainda mais os que deixam de ser e os novos que nascem sobre os antigos. Legal que a sua ex-madastra tentou conquistar vocês devagarinho, ao invés de infernizar.
    Beijocas e um abraco quentinho :-)
    Angie
    P.S. Frango frito é tudo de bom :-)

    ResponderExcluir
  2. Márcia, adorei seu post e a maneira com que escreves...apesar de ser uma história com início muito triste, fico feliz que as coisas se ajeitaram e que a Dalva conseguiu conquistá-las através do frango frito, hehe...
    Bjo grande!

    ResponderExcluir
  3. Querida, deixei um selinho pra vc em meu blog!
    Bjks!
    http://vidanaeuropadiaadiaecuriosidades.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. ohhh gente! qt meiguice!!!
    minha fazedora de livros preferida, esse texto foi tudo de bonito!!! por onde anda dalvinhafranguinhofritinho?

    tem coisas que a gente nao entende no momento q acontecem, né? é preciso tempo pra comprrender... senao fosse a dalva, maria nao teria encontrado francisco, ne nao?

    mt digna sua mae, senhora esbofeteadora de bonecas indefesas :=)

    ResponderExcluir
  5. Angie, se vc experimentar o frango frito da Dalva vai se apaixonar! Obrigada pelo carinho! Relacionamentos são mesmo complicados... mas dão um tom lindo na vida da gente!
    Bjim!

    Dani, tá vendo que a gente morre pela barriga mesmo? A Dalva sabia disso :) Obrigada pelo selinho linda!

    Nina, além de escritora e editora, eu também sou esbofetadora de bonecas! ainda bem que o Pedrinho só vai ter carrinhos, ha ha ha!

    Márcia

    ResponderExcluir
  6. Amigalhes, me emocionei com seu texto!! LINDO DEMAIS!!
    Essa sua sensibilidade te faz ainda mais especial! E ta linda de marcia sabatella! hehe
    bjs

    ResponderExcluir
  7. Maricota, obrigada pela visitinha! Te conto mais da Dalva ao vivo!
    Beijocks!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Aproveite a paisagem e deixe um comentário! Enjoy the landscape and leave me a comment ♥

Postagens mais visitadas deste blog

Festa na floresta ~ A pink safari party

Fim de semana passado foi a vez da mais nova integrante da família celebrar seu aniversário. Nathália, minha sobrinha e afilhada, completou 2 aninhos de idade numa festa pra lá de linda. Os bichinhos da floresta vieram em peso pra festa porque o tema da decoração era um "Safari Rosa". Tigresas, elefantes, girafas, macaquinhas e outros "animais" enfeitaram o salão com uma graciosidade pensada nos mínimos detalhes. As samambaias, árvores e folhas trouxeram o clima acolhedor da floresta, ao passo que os balões rosa e a forração com print animal deram um tom feminino da decoração. ♥ Last weekend my niece Nathália celebrated her birthday. Her party was planned under the motto "Pink Safari", and every detail was nicely thought and done to match some kind of a girly forest. I shall explain to my foreign readers that kid's parties can be big events in Brazil. In terms of planning, size and budget, kid's parties can be compared with small weddings. You wil…

As namoradeiras de janela ~ Brazilian folk art

Português/English Reza a lenda que as esculturas das namoradeiras retratam as moças de antigamente que se debruçavam na janela em busca de um namorado, já que suas famílias eram conservadoras e as privaram de sair de casa para conhecer rapazes. 
Com um braço apoiado na janela e o outro segurando o rosto, as namoradeiras representavam nitidamente uma espera - a espera pelo grande amor de suas vidas.  Privadas da liberdade, as namoradeiras caprichavam no visual para atrair bons partidos. Os lábios carnudos, os decotes sensuais e os olhares sonhadores eram as armas de sedução das namoradeiras.  Embalados pela lenda e pelas armas de sedução femininas, artesãos de todo o Brasil reproduzem esculturas de namoradeiras belíssimas.  Algumas esculturas têm um olhar doce e sonhador, outras têm um olhar capcioso, quase pecaminoso. É a arte imitando a vida... ♥♥♥ Once upon a time Brazilian girls brought up in the countryside were forbidden by their strict parents to go out and flirt with boys. Left w…

Fotos pulando ~ Jumping pictures

Fotografia é expressão. Fotografia é registro. Fotografia é diversão.  Além de gostar de fotografar, edito livros de fotografia que retratam, na maioria das vezes, viagens.  E através das fotos eu percebo que as pessoas têm um certo padrão na hora de fotografar, padrão que se reflete nas poses preferidas, ou até mesmo, nas poses "caricatas".  A pose caricata do meu irmão é hilária: ele se deita nos bancos das praças, como se estivesse dormindo, e pede para alguém fotografar a cena. Não há uma viagem sequer que ele não fotografe um "soninho fingido" no banco da praça, kkk.
Outra amiga-cliente ama fotografar, juntamente com o namorado, a pose do "cavalinho" das quadrilhas. Eles juntam as mãos e saem em disparada, dando pequenos pulinhos... Dá pra imaginar a cena em frente ao Coliseu na Itália? A foto ficou um colosso!
Minha irmã gosta de posar para fotos com o pescoço levemente jogado para a direita. Minha mãe geralmente coloca as mãos na cintura. Já a cria…