Pular para o conteúdo principal

O Deus dele pode ser um elefante ~ His God can be an elephant

Eu estava sentada na cantina da TUD (Technische Universität Dresden), acompanhada por um colega indiano, um colombiano, uma iraniana, uma tailandesa e um beninense, e a comida horrível daquele dia que fez nossa conversa enveredar para a religião. Este tópico não é dos melhores para se discutir numa mesa tão, digamos, eclética em termos religiosos e geográficos. Mas eu disse em voz alta que a minha carne de porco estava ruim, e ao ouvir meu comentário, o colega de Benin disse que nunca vai ter este problema (comer carne de porco ruim) porque carne suína é proibida em sua religião. 
Happy hour no meu ap em Dresden
Então eu perguntei a ele: porque é proibido?
E ele respondeu que os mulçumanos consideram o porco um animal muito sujo. E portanto não comem a carne dele.
Daí eu engatei uma pergunta pro colega indiano: - porque na Índia não se come carne de vaca? Ele disse que para o hinduísmo, a vaca é sagrada.
O colombiano, num tom jocoso e levemente debochado, perguntou: - Sagrada como? O que é algo sagrado para você?  É verdade que os elefantes também são sagrados na Índia?
O indiano, na maior das paciências, explicou que as vacas são consideradas puras, e  não podem ser mortas nem feridas. Detalhe: elas têm passe livre para circular pelas ruas na Índia sem serem incomodadas. Já os elefantes estão presentes em vários quadros hindus, e podem representar a divindade. Ele disse que um elefante pode ser Deus. Uma árvore pode ser Deus. Ele mesmo pode ser Deus, pois tudo o que é vivo é divino. De acordo com a religião dele, todos os seres vivos, do capim ao elefante, carregam dentro de si uma energia vital e um pouco do mistério da vida.
O colombiano disse que Deus é o pai de Jesus. E Jesus derramou seu sangue por todos nós. Ele sacrificou sua vida por nós, e não devemos nos esquecer disto. Neste momento, flechas invisíveis de intolerância (→ → →) saiam dos olhos do colega colombiano, rumo ao indiano e ao beninense.
O beninense disse que seu Deus é o Alá, e Maomé é seu profeta,  mas ele respeita o colega indiano. Ele respeita que Deus pode ser um elefante pra ele. A querida tailandesa murmurou baixinho que respeita o elefante. E o indiano. E nos explicou que ela acredita em reencarnação. E se ela não for uma boa pessoa, ela pode regredir na escala humana e voltar como um animal. Se isto acontecer, ela quer voltar, no mínimo, como um pássaro. Para voar. Ela quer voar.
A iraniana só sabia rir da nossa conversa. Ela ria enquanto separava os pedacinhos de bacon que estavam no seu macarrão, porque ela também não come carne de porco. Mas ela respeita a crença do indiano, da tailandesa, do colombiano, do beninense.
E quando me perguntaram qual a minha religião, e no que eu acredito, eu disse que sou por tradição cristã e católica. Mas que eu, francamente, acreditava num pouquinho de tudo o que eles me disseram...

-=♥=-

Comentários

  1. Ah Márcia, eu adoro vir aqui e dar de cara com tuas histórias. Essa aqui por exemplo me passou uma inocência, uma pureza, me deu a sensação de que era uma criança que estava contando, muita engraçado isso. Eu tb fui criada na religião cristã e no catolicismo, e respeito muito outras religiões. Mas acredito muito no que o indiano falou. É até lógico, porque se acreditarmos que todos fomos criados por Deus então somos todos seres divinos. Eu vejo a beleza e misericórdia de Deus em todas as coisas ( menos nas baratas, kkkkkkk). Que sorte a sua poder conviver com essas pessoas Márcia. Beijo grande!

    ResponderExcluir
  2. achei muito sábia sua resposta, sou crista, mas nao sou de nenhuma igreja e penso um pouco assim tb, simplesmente respeito certo :)

    ResponderExcluir
  3. Fala sério, o colombiano deu uma rata, viu? Não é colocando as nossas beliefs guela abaixo que as pessoas têm interesse de conhecer a nossa fé não. Nossa, vai ver nem ele segue mesmo à risca aquilo que compartilhou, pois existe muitas pessoas de outras religiões que são mais dedicados à suas beliefs do que os próprios cristãos à deles.

    Eu sempre procuro falar de Deus e de Jesus e do que eu acredito no cristianismo, tendo a Bíblia como a minha conduta de fé e prática.


    Tenho maior prazer em explicar qualquer coisa relacionada à Palavra de Deus,mas oprimira fé do outro e converter alguém não é o meu papel.

    A Bíblia diz claramente:

    Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem (Efésios 4:29).

    Procuro manter minha base nisso e se alguém quiser conhecer mais desse Jesus maravilhoso por causa do que eu falo, escrevo ou vivo, o crédito é dele e não meu.


    By the way, o porco tb é considerado um animal imundo para os judeus.

    ResponderExcluir
  4. Dani, digamos que fora as baratas e alguns outros bichos que seriam dispensáveis caso não contribuissem para a cadeia alimentar, todo o resto é divino. Há muita sabedoria no que o indiano disse, me indentifiquei com algumas de suas palavras e também acredito que somos parte da divindade. Não é verdade que fomos feitos a imagem e semelhança de Deus?
    Ah Dani, minhas histórias... que bom saber que vc se diverte com elas. Tenho tantas outras pra contar... Semana que vem eu vou escrever sobre o pó mágico do meu amigo africano...
    Um bjão querida, tenha um fim de semana divinamente maravilhoso!

    Vms, o respeitar a fé dos outros é tão importante quanto ter a própria fé! E estar aberta para novas verdades torna a vida leve e muito interessante!

    Gi, realmente, o amigo latino pisou na bola, ele tentou quase catequizar o colega indiano... Este ultimo ria... e dizia que o moço latino ainda tinha muito o que aprender na vida.
    Obrigada por compartilhar comigo o trecho da bíblia! Promover a edificação através do que se fala... quanta responsabilidade! Beijos querida! Tenha um ótimo weekend!
    Ah, eu não sabia que judeus não comem carne suína. Thanks.

    ResponderExcluir
  5. Tá aí um tema que nunca comeco e nunca dou mt bola, isso nunca se chega a lugar algum!

    Apesar de ser como vc, Ma,nao duvido e nao rio de nada e de crenca alguma.

    Ei Má, o livro da Leila Ferreira, A arte de ser leve, o Pedrinho resolveu que é teu.
    Me escreve dizendo pra qual endereco devo te enviar.

    Legal né? Ajudei a comecar tua semana bem?

    ResponderExcluir
  6. Nina, fiquei muito muito muito glücklich com a notícia do livro! Agradeço desde já a ti e ao Pedrinho!
    Beijos minha querida, obrigada e uma semana abençoada a você!!!
    Márcia

    ResponderExcluir
  7. Querida Márcia!
    Pois eu também achei que o indiano foi muito leve, sutil e se pensarmos bem, Deus está em tudo que vive e que criou, tudo portanto tem sua divindade.
    É que para nós, ocidentais, acostumados desde pequenos com os conceitos cristãos que nos ensinaram, o resto dos pensamento, que não sou poucos por sinal, não têm significado, mas para mim que já vivi mais de meio século, hoje digo-lhe, tem sim, tudo tem significado nesta vida e quando se viaja pelo mundo passasse a entender melhor tudo isto.
    um beijinho carioca

    ResponderExcluir
  8. Oi Marcia,
    Gostei muito do que você disse...
    Bom, mas minha curiosidade esta em saber se voc6e esta vivendo em Dresden??
    Percebi pela foto...
    No iniio do ano estarei indo viver em Dresden com meu esposo e minha filha, estou querendo muito conversar com alguem que vive aí...
    se você puder entrar em contato, iria adorar... meu email: anaccd@hotmail.com
    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Aproveite a paisagem e deixe um comentário! Enjoy the landscape and leave me a comment ♥

Postagens mais visitadas deste blog

Festa na floresta ~ A pink safari party

Fim de semana passado foi a vez da mais nova integrante da família celebrar seu aniversário. Nathália, minha sobrinha e afilhada, completou 2 aninhos de idade numa festa pra lá de linda. Os bichinhos da floresta vieram em peso pra festa porque o tema da decoração era um "Safari Rosa". Tigresas, elefantes, girafas, macaquinhas e outros "animais" enfeitaram o salão com uma graciosidade pensada nos mínimos detalhes. As samambaias, árvores e folhas trouxeram o clima acolhedor da floresta, ao passo que os balões rosa e a forração com print animal deram um tom feminino da decoração. ♥ Last weekend my niece Nathália celebrated her birthday. Her party was planned under the motto "Pink Safari", and every detail was nicely thought and done to match some kind of a girly forest. I shall explain to my foreign readers that kid's parties can be big events in Brazil. In terms of planning, size and budget, kid's parties can be compared with small weddings. You wil…

As namoradeiras de janela ~ Brazilian folk art

Português/English Reza a lenda que as esculturas das namoradeiras retratam as moças de antigamente que se debruçavam na janela em busca de um namorado, já que suas famílias eram conservadoras e as privaram de sair de casa para conhecer rapazes. 
Com um braço apoiado na janela e o outro segurando o rosto, as namoradeiras representavam nitidamente uma espera - a espera pelo grande amor de suas vidas.  Privadas da liberdade, as namoradeiras caprichavam no visual para atrair bons partidos. Os lábios carnudos, os decotes sensuais e os olhares sonhadores eram as armas de sedução das namoradeiras.  Embalados pela lenda e pelas armas de sedução femininas, artesãos de todo o Brasil reproduzem esculturas de namoradeiras belíssimas.  Algumas esculturas têm um olhar doce e sonhador, outras têm um olhar capcioso, quase pecaminoso. É a arte imitando a vida... ♥♥♥ Once upon a time Brazilian girls brought up in the countryside were forbidden by their strict parents to go out and flirt with boys. Left w…

Fotos pulando ~ Jumping pictures

Fotografia é expressão. Fotografia é registro. Fotografia é diversão.  Além de gostar de fotografar, edito livros de fotografia que retratam, na maioria das vezes, viagens.  E através das fotos eu percebo que as pessoas têm um certo padrão na hora de fotografar, padrão que se reflete nas poses preferidas, ou até mesmo, nas poses "caricatas".  A pose caricata do meu irmão é hilária: ele se deita nos bancos das praças, como se estivesse dormindo, e pede para alguém fotografar a cena. Não há uma viagem sequer que ele não fotografe um "soninho fingido" no banco da praça, kkk.
Outra amiga-cliente ama fotografar, juntamente com o namorado, a pose do "cavalinho" das quadrilhas. Eles juntam as mãos e saem em disparada, dando pequenos pulinhos... Dá pra imaginar a cena em frente ao Coliseu na Itália? A foto ficou um colosso!
Minha irmã gosta de posar para fotos com o pescoço levemente jogado para a direita. Minha mãe geralmente coloca as mãos na cintura. Já a cria…