15 de jun de 2011

Do restaurante pro jornal ~ From the restaurant to the newspaper

Olha eu no jornal genthi!
Talvez vocês tenham visto nos noticiários que uma mutação de vírus/bactéria estava tocando o terror na Alemanha. Vários idosos faleceram e muitas pessoas foram hospitalizadas. As instruções aqui eram simples: evite salada, frutas sem casca, vegetais crus etc.
Eu estava ligada nas notícias mas não mudei muito meus hábitos. Primeiro porque o foco da doença era no norte do país. E eu moro no sul. Em segundo lugar, acho os alemães excessivamente cautelosos e alarmados, já eu sou mais tranquila e tenho uma fé inabalável de que tudo vai dar certo comigo.
Pois bem, fui a um restaurante e pedi uma salada. Junto com a salada veio um fotógrafo e o dono do restaurante, perguntando gentilmente se não poderiam tirar uma foto para o jornal de uma cliente comendo salada (o que não acontecia há alguns dias)...
Resultado: fui parar na primeira página do jornal.
E ganhei um café expresso* como cortesia.
Olha eu causando na Alemanha, hahahahaha....
Estes foram meus 15 minutinhos de fama aqui. E continuo saudável.

-=♥=-

14 de jun de 2011

Pelas águas do Rio Danúbio ~ A boat tour on the Danube River

Elas viveram muito tempo separadas. De um lado, Buda, repleta de colinas, palácios, nobres e reis. Do outro, Pest, a planície onde se instalou a burguesia e o povo em geral. Foi assim até 1973, quando ambas se uniram. E desde que o comunismo caiu, no finzinho dos anos 80, as irmãs unificadas potencializaram sua sinergia e Budapeste se firmou como um roteiro de peso no leste europeu.  
Chegar a Budapeste de trem dá ao viajante um relance da complexa mistura entre decadência e imponência. Digo isto porque a estação ferroviária de Budapeste deve ter sido colossal, mas por falta de reparos e restaurações, se tornou um lugar feio, sujo e desorganizado. Basta descer do trem para ser assediada por cambistas, pessoas oferecendo apartamentos ou taxis. Alguns vendedores são discretos, outros bem invasivos. E aqui vai a primeira dica: só troque dinheiro em bancos, hotéis e casas especializadas. Nada de pegar uma cotação melhor com cambista. É possível que você acabe com notas falsas ou moedas de outro país nas mãos. Alguns lugares aceitam euros, mas a conversão geralmente é desleal. Portanto, ande com o Forint (moeda húngara) no bolso.
Bem, passado o perrengue na estação, pegamos um taxi e o motorista doidão fez váááárias manobras ilegais no trânsito, mas chegou ao hotel. Aliviados, fizemos o check-in e depois de um breve descanso, fomos bater perna em Budapeste.
Com cerca de 2 milhões de habitantes, Budapeste tem ares tradicionais que se harmonizam com a modernidade. Trata-se de uma capital lindíssima, cosmopolita, chique e descolada. O esplendor dos edifícios históricos, a hospitalidade do povo húngaro e as várias curvas do rio Danúbio, muito mais presente aqui do que em Viena, compõe um belíssimo cenário, principalmente se apreciado ao alto do Bastião dos Pescadores, do barco ou de uma das 8 pontes que ligam Buda a Peste.
Um passeio imperdível em Budapeste é o tour de barco pelo Rio Danúbio. Durante o dia, a paisagem vista do barco é de fato linda.
Mas à noite... é sensacional. Se algum dia você for passear em Budapeste e quiser fazer o tour, vai aqui o meu conselho... espere a noite cair e entre no barco. Porque os edifícios históricos são iluminados com perfeição e admirar todo este esplendor do rio - escutando música clássica - é demais!
Olha só...
Convenci?
Há várias companhias que oferecem o tour de barco. Fiz o meu tour com a companhia Legenda, no Pier 7 e fiquei muito satisfeita.
Njoy!

Referências de hospedagem:
Kempinski Corvinus
Intercontinental
Hilton

Restaurantes bacanas:
Arany Kaviár Restaurant (Golden Caviar)
1015 Budapest, Ostrom u. 19
+ 36 1 201 6737

Nobu (Japanese Food)
Kempinski Hotel Corvinus
+ 36 1 429 4242

Halászbástya Restaurant (comida húngara com a vista mais linda de Budapeste). Vale mais a pena pela vista do que pela comida.
1014 Budapest, Halászbástya - Északi Híradástorony

-=♥=-