Pular para o conteúdo principal

Uma parede e seus tijolos ~ The story of a brickwall

Essa postagem deveria contar a história de uma parede de tijolos. Mas é a parede de tijolos que vai contar uma história. Uma história pessoal que, assim como a parede em questão, foi construída tijolo por tijolo.
O primeiro tijolo desta parede eu assentei quando me mudei da Alemanha para o Brasil. O coração estava aos frangalhos e minha cabeça enfrentava uma dificuldade enorme para se situar. Eu não sabia se estava no Brasil, se estava na Alemanha ou se, como o avião da Air France, eu tinha me perdido em algum ponto no meio do caminho. Foi uma fase bem complicada.
Mas eu estava disposta a recomeçar... E ao esforço de recomeçar eu atribuo o segundo tilojo da parede.
Tá, cheguei ao Brasil. É nóis, tijolo! É hora reconstruir a vida no meu país. Mas onde morar? Na casa de Mommys?
Sim...
No entanto, foi complicado voltar para a casa dos pais depois de ter tido minha própria casa, com minhas regras e minha tocada. Senti que estava invadindo o espaço dos meus pais, apesar deles nunca terem reclamado da minha presença. Esse incômodo era só meu, como se algum tipo de assombro me dissesse: você está sobrando aqui. Na verdade, eu estava sobrando na vida porque não sabia a que lugar eu pertencia... Eu não me sentia confortável nem na própria pele. Ô fase tirrivi.
Além de me sentir invadida (e invadindo) o espaço físico da família, eu estava sendo invadida por um agarramento emocional que há tempos eu não sentia. Ora bolas, eu transitei de uma fase de afastamento da família (Alemanha) direto para uma fase de agarramento (no Brasil). Não houve um meio termo, um pit stop para me acostumar às novas circunstâncias. Então eu tratei de providenciar o pit stop. Fui pra São Paulo fazer um curso fantástico na minha área e oxigenar as ideias.
Como eu ficaria por pouco tempo na cidade, não justificava alugar um apartamento. Então pedi arrego a um primo super gente fina que mora há anos em Sampa. Foi uma ótima (e econômica) ideia.
Meu primo, como os homens em geral, não é ligado em casa e nem tem tempo pra isso. Mas a fofolete aqui tratou de dar um toque feminino no apartamento, principalmente, no quarto onde eu dormia. Usei a caixa do fogão como uma cômoda, comprei alguns lençóis novos e estampados e comprei flores naturais toda semana pra enfeitar a casa.
Passados alguns meses, o curso findou e voltei para minha cidade decidida a morar sozinha. Coloquei uns 17 tijolos de uma vez só na parede.
O apartamento eu já tinha, mas ele era grande demais pra mim. Grande mesmo, gente.
Daí pensei em alugar meu apartamento para, com a renda, alugar um menor e pagar o condomínio. Na época eu tive medo de tantas coisas, inclusive de assustar os homens com meu super apartamento...
Mas conversando com um daqui, com outro dali, eu tirei esse medo da cabeça. Ora bolas, não fazia sentido me privar de um conforto por medo de não encontrar ninguém à altura. De tanto ponderar, acabei descobrindo que não era o apartamento que estava grande para mim... Era eu que não estava grande o suficiente para o apartamento. Essa caída de fichas adicionou 300 tijolos na parede numa tacada só.
Então, já decidido que eu iria habitar meu Grand Chatêau, contratei uma decoradora massa pra fazer o projeto de decoração. Essa fase foi super demorada e só no final de novembro comecei a quebradeira.
Putz, a fase do pedreiro é, literalmente, de lascar o cano. Problemas, mil problemas. Era final de ano e foi difícil encontrar mão de obra. E quando encontrava, o valor das diárias era exorbitante!!!
Quem está lidando com construção/reforma no Brasil sabe do que estou falando. Quem dá o preço agora é o pedreiro, não o contrário. A carência de profissionais nessa área é tamanha que você paga o que pedem, quando tem a sorte de encontrar alguém pra executar o serviço...
Nessa fase eu sentir a maior falta de ter um companheiro. Estressei feio. Entendi porque, no geral, as pessoas se casam para sair da casa dos pais. Primeiro para compartilhar o sonho. E segundo, para compartilhar as despesas.
{É caro pra burro montar um apartamento sozinha (o)...}
Enfim, fui apertando daqui e dali e a obra continuou. Depois de errar com dois profissionais, contratei um terceiro que, finalmente, colocou meu projeto pra caminhar. Foi ele que construiu minha parede física de tijolos.



Eis a parede de tijolos quase finalizada... E eu mais feliz que pinto no lixo...
Agora, o resultado final...
A parede em seu contexto, interagindo com a nova pintura e a iluminação...
Soai trombetas!
Vocês não imaginam minha alegria ao ver a parede de pé, com todos os tijolos emocionais e físicos assentados, ditando o tom para um lugar que, em breve, eu chamarei de lar...
Meu lar!!!

All in all it was just a brick in the wall
~ Pink Floyd

Comentários


  1. Oi Márcia,

    Está linda na foto de perfil.

    Adorei ler o seu depoimento. Vivi situações semelhantes. Quando vim para Belo Horizonte, transferida a serviço, tive que enfrentar situações bem parecidas, ou seja, choque pelo afastamento do aconchego familiar, a compra do meu primeiro apartamento, reformas e dores de cabeça tremendas com profissionais, embora uma decoradora estivesse liderando os trabalhos. Mas, enfim, ganha-se experiência, maturidade e liberdade. Foi uma experiência ímpar, da qual nunca vou esquecer.

    Você se saiu muito bem e esta parede de tijolos está muito charmosa. Pela visão que se tem na foto, o apartamento é excelente. Que papaizão, hein? Espero que você seja muito feliz em seu novo lar.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vera!
      Como a gente cresce no processo de se reconstruir... E também no processo de construir. Já estou das mais "entendidas" no assunto, converso com eletricistas já falando em módulos e amperes rs... Nada como um dia após o outro! E como você bem disse, é uma fase impar!
      O presente do Pai realmente foi muito generoso. Ele fez isso por todos os filhos e diz que, na sua falta, ficará tranquilo sabendo que seus filhos tem um lugar para morar.
      E no meu caso, para morar feliz ;)
      Beijos!

      Excluir
  2. Olá, gostei da decoração...Espectacular....
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fernando, obrigada!
      Estou curiosa com o resultado final :)
      Saudações!

      Excluir
  3. Essa é uma grande conquista, Marcinha! Obrigada por compartilhar conosco! Estou super feliz por você. A parede ficou muito charmosa e tenho certeza que a decoração ficará linda também! Adoro coisas rústicas! Muitas, muitas felicidades no seu novo lar e curta muito esse momento, que é simplesmente delicioso!
    beijinhos daqui de Tübingen

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aninha! A decoração vai ficar muito bonita mesmo... Quando sei que algum móvel será entregue, fico ansiosa imaginando como ele vai compor o ambiente... É uma fase bonita, estou adorando!
      Bjim!

      Excluir
  4. Oi Marcia. From what you have written I am very impressed. You have shown a great deal of guts and determination that will keep you well in the future. The trip home from Germany was a trying one for you..there was so much uncertainty in your life then. I think that you made the right choices for yourself. I think that you have become much more mature and understanding about the vicissitudes of life and love. I am totally proud of you! And by the way Happy Pisces Birthday! And as you progress you will add other bricks in your wall of dreams and choices. You are destined for greatness with or with out a partner.
    I was taught that you learn by doing...and you have achieved something wonderful for yourself. As time goes by you will become more and more discerning of what needs to be done to live the dream. I think this is essential for you will be better able to advise your others in a very informed way. Keep on developing and making Brazil a better place for yourself, family and its remarkable people. Its much more than a brick in the wall, Marcia!! Please embrace uncertainty, it is the only thing that is certain and continue to live your life to the fullest.

    Cheers!

    Ian

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dear Ian,
      First of all, sorry for not translating the whole text into English. When the subject gets emotional, I prefer to write the post on my language. So its very nice of you to translate the text and to place deep and meaninful comments, as you always do.
      Yes my friend, its more than just a brick in the wall. Its a whole process of knowing myself, my boundaries, my strenths and weaknesses. And the outcome of such a process is being one step closer to who I am.
      I will embrace uncertainty. Its not a confy hug in the beggining, but it gets quite cozy after a while.
      Cheers, Ian!

      Excluir
  5. Marcinha!!!!! Desejo a você muitas felicidades no novo lar! Realmente, depois que você aprende a morar só, voltar a viver na casa dos pais é muito difícil, por mais que você tenha liberdade na casa deles, a casa não será nunca mais igual a sua. Essa parte de reforma é mesmo mais trabalhosa, mas você ver, literalmente, tijolo por tijolo sendo levantado é como um alicerce que você estanca na própria vida. Já já você vai ficar do tamanho deste apto:-).
    Preciso dizer que eu ADOREI a colcha da sua caminha de SP :-). Um estilo muito romântico!! Aqui é super difícil encontrar coisas assim tão delicadas. Muito bom gosto o seu e tenho certeza que o apto ficará lindo!!! Um beijão!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sandrinha,
      Eu amo essas colchas de patchwork :) São delicadas, românticas e combinam muito com meu estilo. Que peninha você nas as encontrar por aí :(
      Obrigada pelos votos de felicidades!
      Beijos!

      Excluir
  6. Fases complicadas vc viveu Ma, mas superou todas elas mt bem. E ta se reerguendo igualzinha tua parede. Maravilha!

    Esse ap vai ficar certamente lindo, com ajuda de uma profissional junto com teu bom gosto sempre presente, vai ficar uma coisa de tao lindo. E essa paredinha de tijolos aparentes é uma lindeza. Um sonho!

    Nossa, super entendo o que vc fala sobre nao conseguir morar mais com os pais, nao rola, Ma, qd a gente sai uma vez nao consegue voltar, fica tudo meio estranho,aquilo nao é mais nosso, a gente cresceu, nao rola de ficar sob teto de quem um dia ja mandou na gente :-) mesmo com as melhores das intencoes de nossos pais... so mesmo numa necessidade e vc precisou daquele periodo depois da Alemanha.
    Mas agora, a mulher cresceu, floresceu.

    Toda a boa sorte pra ti, florzinha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nina,
      A parede de tijolos já está se tornando a vedete da minha casa... O lar está longe de estar pronto, mas a parede já encanta quem entra ;)
      Vou mostrar o resultado final com os quadros e a tv pendurada! Ah que vontade de ver tudo pronto!
      Pois então amiga, morar com os pais foi necessário, mas como você disse, eu floresci e quero mesmo é ter meu lugar, do meu jeito, com a minha cara!
      Um beijo e obrigada pela força de sempre!

      Excluir
  7. Uau, muito show! Parabéns pela conquista tijolar (em todos os sentidos...), e pelo novo lar: que você seja muito, muito feliz nele!
    Beijo grande,
    Angie

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conquista tijolar, amei a definição Angie!!!
      Beijos!

      Excluir
  8. Que bacana Márcia... nada como um dia após o outro (e com uma noite no meio) para a gente colocar nossa vida no rumo. Sempre haverão percausos, mas o charme de tudo é saber levantar, sacodir a poeira e seguir em frente. Adorei seu apto... e desejo muitas felicidades na sua nova casa. bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Raquel!
      Os percalços sempre existirão... E nós precisamos estar grandes e fortalecidas à altura...
      O enfrentamento é difícil, mas o resultado é engrandecedor ;)
      Bjim!

      Excluir
  9. Bonitas as metáforas que você fez nascer no escrito. Da dor de outrota à fortaleza diminuta que para nós configura o lar. Que os desejos desses expectadores fiéis ressoem em você sempre e cada vez mais positive vibrations!

    beijão, Germana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelas vibes positivas, Germana!
      Essa vida é cheia de metáforas... O físico sempre encontra um correspondente no subjetivo... E meus tijolinhos, ah eles encontraram vários significados aqui no post ;)
      Beijo e felicidades!

      Excluir
  10. Márcia,
    lembro bem quando voce voltou para o Brasil, lembro até do post... sua tristeza.
    Daí veio a fase de acreditar que tinha feito tudo certo e viajar... quantas viagens bacanas né?
    E agora esta fase maravilhosa "seu canto" (e que canto hem amiga!!!!).
    Olha curta mesmo, sou suspeita para falar deste assunto, AMO derrubar paredes, pintar diferente, decorar então... estou meia enferrujada devido a fase da minha vida "provisória".

    Que delicia...
    E vai colocando as fases da decoração pra gente ficar namorando... : )
    Achei sua parede bacanérrima, o espelho ficou perfeito ao lado, lindo!
    As listras no corredor um charme, com as portas brancas pra ficar bem leve, hummm isso vai ficar um charme de belezura... (viu como reparei em todos detalhes, amo!)
    beijosss minha flor
    Domingo estou de partida para Alemanha : )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aninha,
      Quanta sensibilidade você tem para perceber detalhes!
      As listras, os tijolos, o espelho... Texturas tão distintas, mas quando bem combinadas, fazem surtir um efeito bem bacana!
      É lindeza... aquela fase mega perrengue ficou pra trás. Às vezes rola uma tristezinha, mas nada diante da alegria de habitar um lugar que será o meu lar!
      Vou compartilhar alguns detalhes da decoração sim!
      E boa viagem a Alemanha, Aninha!!! Dê notícias!
      Beijos!

      Excluir

Postar um comentário

Aproveite a paisagem e deixe um comentário! Enjoy the landscape and leave me a comment ♥

Postagens mais visitadas deste blog

Festa na floresta ~ A pink safari party

Fim de semana passado foi a vez da mais nova integrante da família celebrar seu aniversário. Nathália, minha sobrinha e afilhada, completou 2 aninhos de idade numa festa pra lá de linda. Os bichinhos da floresta vieram em peso pra festa porque o tema da decoração era um "Safari Rosa". Tigresas, elefantes, girafas, macaquinhas e outros "animais" enfeitaram o salão com uma graciosidade pensada nos mínimos detalhes. As samambaias, árvores e folhas trouxeram o clima acolhedor da floresta, ao passo que os balões rosa e a forração com print animal deram um tom feminino da decoração. ♥ Last weekend my niece Nathália celebrated her birthday. Her party was planned under the motto "Pink Safari", and every detail was nicely thought and done to match some kind of a girly forest. I shall explain to my foreign readers that kid's parties can be big events in Brazil. In terms of planning, size and budget, kid's parties can be compared with small weddings. You wil…

As namoradeiras de janela ~ Brazilian folk art

Português/English Reza a lenda que as esculturas das namoradeiras retratam as moças de antigamente que se debruçavam na janela em busca de um namorado, já que suas famílias eram conservadoras e as privaram de sair de casa para conhecer rapazes. 
Com um braço apoiado na janela e o outro segurando o rosto, as namoradeiras representavam nitidamente uma espera - a espera pelo grande amor de suas vidas.  Privadas da liberdade, as namoradeiras caprichavam no visual para atrair bons partidos. Os lábios carnudos, os decotes sensuais e os olhares sonhadores eram as armas de sedução das namoradeiras.  Embalados pela lenda e pelas armas de sedução femininas, artesãos de todo o Brasil reproduzem esculturas de namoradeiras belíssimas.  Algumas esculturas têm um olhar doce e sonhador, outras têm um olhar capcioso, quase pecaminoso. É a arte imitando a vida... ♥♥♥ Once upon a time Brazilian girls brought up in the countryside were forbidden by their strict parents to go out and flirt with boys. Left w…

Fotos pulando ~ Jumping pictures

Fotografia é expressão. Fotografia é registro. Fotografia é diversão.  Além de gostar de fotografar, edito livros de fotografia que retratam, na maioria das vezes, viagens.  E através das fotos eu percebo que as pessoas têm um certo padrão na hora de fotografar, padrão que se reflete nas poses preferidas, ou até mesmo, nas poses "caricatas".  A pose caricata do meu irmão é hilária: ele se deita nos bancos das praças, como se estivesse dormindo, e pede para alguém fotografar a cena. Não há uma viagem sequer que ele não fotografe um "soninho fingido" no banco da praça, kkk.
Outra amiga-cliente ama fotografar, juntamente com o namorado, a pose do "cavalinho" das quadrilhas. Eles juntam as mãos e saem em disparada, dando pequenos pulinhos... Dá pra imaginar a cena em frente ao Coliseu na Itália? A foto ficou um colosso!
Minha irmã gosta de posar para fotos com o pescoço levemente jogado para a direita. Minha mãe geralmente coloca as mãos na cintura. Já a cria…