Pular para o conteúdo principal

Machu Picchu

Poucos lugares no mundo são tão bonitos e fotogênicos quanto Machu Picchu. São incríveis as construções, a disposição das casas no terreno acidentado, a arquitetura dos prédios, a colocação das pedras nas paredes e, principalmente, a harmonia da arquitetura com o meio ambiente. Machu Picchu parece ter brotado naturalmente da montanha, de tão perfeita é a sintonia entre as pedras e o verde. 
Mas o que sobra de evidência física falta de evidência histórica. A cidade misteriosa dos incas está rodeada de teorias, mas faltam provas. Provas que atestem inclusive, que a cidade foi habitada algum dia.
Diferentemente dos outros posts que publiquei sobre o Peru, nesse vou pular a história e ir direto para a experiência. Quero relatar a viagem a Machu Picchu da forma mais realista possível, contemplando os perrengues e a dureza que é chegar até lá. Compensa? Claro. Mas é dureza. 
Eu e Mãe despertamos às 3:00 da matina e às 3:30 o ônibus da excursão nos pegou no hotel. Viajamos por quase 2 horas até a cidade de Ollantaytambo, passando um frio horrível e tenebroso dentro do ônibus sem aquecimento. Fiquei com saudade do chapelón de lã. Mas o jeito foi aguentar firme. 
Descemos direto na estação de trem de Ollantaytambo.
Pensa num lugarzinho desorganizado e cheio, cheio, cheio, cheio de gente... 




Numa estação de trem que se preze, há placas indicando o número dos trens que chegam e que partem. Mas lá no futi do Peru, você precisa chegar perto do trem e perguntar gentilmente ao funcionário qual é o número daquela bendita embarcação. O problema é que eu não era a única turista que precisava desta informação. Resultado: espreme-espreme. Confusão. E caos. América Latina...
O segundo trem que passou por Ollantaytambo era, felizmente, o que deveríamos pegar. Entramos no Vistadome, que é o meio termo entre o trem mochileiro (Backpacker) e o chiquérrimo Hiram Bingham. Já sentada, senti novamente o gosto da civilidade. E do conforto. Nota 10 pro Vistadome!






As janelas e teto panorâmico dão aos passageiros uma visão privilegiada do trajeto, que na minha opinião, vale tanto a pena quanto a própria Machu Pichu. 




O trem serpenteia pelo famoso Vale Sagrado... 
E depois de uma hora e meia de viagem, chega a Aguas Calientes. 
A identificação dos turistas é feita na base do grito. E dos cartazes. 
{Organización parte II}
Aguas Calientes é feiosa e só existe em função de Machu Pichu. O lado bom de estar lá é estar mais perto do destino final.
Para alcançar Machu Pichu, entramos num micro-ônibus novinho e fomos avisadas de que o trajeto duraria 20 minutos. O que não nos falaram é que a estrada é medonha de estreita e sem proteção alguma nas laterais. Quem tem medo de altura se lasca. Até eu que topo altura, senti um frio na espinha ao olhar o despenhadeiro. Mas fomos na fé...  Machu Pichu na cabeça e fé no coração.
No cume da montanha, há uma boa estrutura com banheiros (e longas filas no feminino), restaurantes e uma chapelaria. O frio já tinha cedido lugar ao calor, e sabendo que iria me exercitar muito, deixei o casaco na chapelaria. Foi uma tacada de mestre!
Olhei para o Vale Sagrado, lindo de morrer, e me perguntei: - cadê o cansaço? Pluft! Foi embora! 
Entramos no parque arqueológico de Machu Picchu.
Quando digo entramos, por favor entenda: eu + Mommys + um milhão de turistas vindos de todos os cantos imagináveis do Planeta Terra. 


Subimos, subimos, subimos e começamos a ver a cidade maravilhosa, digo, a cidade misteriosa... 
Até que ela se revelou inteiramente. 
Jesus apaga a luz!
Isso aqui é lindo demais!!!

Depois do sobe, sobe, sobe, veio o desce, desce, desce. Eu, Mommys + 1 milhão de turistas vindos de todos os cantos imagináveis do Planeta Terra subimos e descemos escadas incas, fazendo um lifting express nas nádegas. 
A Dona Maria suava em bicas e usava o guarda-chuva como guarda-sol. Sem perder o humor. Mas foi por pouco... 



E vamos andando, minha gente!
Daqui a pouco a gente toca as nuvens!
Será que estou conseguindo mostrar pra vocês o quanto Machu Picchu é bonita?


Pedra encaixada sobre pedra. Com precisão milimétrica e sem qualquer tipo de rejunte.
Aprenda engenharia com os incas!




Rola uma pausa pro descanso?
Eu mereço!


As Llamas passeiam pelas ruínas e comem capim verdinho. Que vida boa!
Natureza + arquitetura caminhando juntas!

Ficamos cerca de 4 horas em Machu Picchu. O período foi suficiente para explorar as ruínas, fotografar, pensar na vida, na história e, sobretudo, contemplar uma paisagem ímpar no mundo. O clique abaixo retrata sintonia perfeita da cidade misteriosa com ambiente.
Retornamos a Aguas Calientes, almoçamos uma comidinha super delícia e, 3 horas depois, começou o perrengue do retorno.
Sei que quem busca pontualidade e organização viaja pra Suíça, e não para o Peru. Mas a falta de organização nas estações de trem peruanas extrapola a tolerância. Era funcionário gritando, gente correndo pra pegar os assentos que eram marcados e foram desmarcados de última hora... Olha, foi um pagode.
Troquei uma idéia com pessoas que viajaram pra Machu Picchu e a queixa da desorganização foi universal...
Autoridades peruanas, "miorem" o esquema por obséquio!
19 horas depois de termos entrado no buzú de madrugada, retornamos ao hotel. Estávamos exaustas até o último fio de cabelo e a pouca energia que nos restava só foi suficiente pra tomar banho, pedir algo pra comer e capotar!
Machu Picchu, foi um grande prazer te conhecer.

Mas já dei por visto ;)

Comentários

  1. Jesus, que perrengue!!!Ter que passar por tudo isso para contemplar essa beleza toda teve seu preço hein!? Mas, pelo jeito, valeu :-).
    Olha Márcia só de pensar neste atraso e loucura para tomar esse trem ai, sei não....rs... eu me acostumei TANTO com a pontualidade e organização suíça, que pra mim ir até Machu Pichu neste esquema seria uma prova de paciência e tolerância, rs.... mas ainda quero MUITO conhecer esse lugar tão místico e especial. O jeito é esquecer os perrengues e correr para o abraço :-). AMEI o post!! Bjsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sandrinha,
      Imagino o choque que você vai levar no Peru... Mesmo para eu que já estou desambientada do cenário pontual e organizado da Alemanha, foi puxado encarar a desorganização... Mas olhar pra Machu Picchu faz tudo valer a pena. É incrível!

      Excluir
  2. Minina, deu vontade de ir! É tudo tão lindo! Ah, feliz dia do amigo(a)! Dizem que é amanhã(20/07)!Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz dia do amigo também, Helô!!!
      Bjocks

      Excluir
  3. Beleza de cortar a respiração... a da paisagem e a sua, Márcia. Que elegância!
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Gisuis, Maria e José, que incrível isso! kkkkkk
    Olha, você é uma das maiores aventureiras que eu conheço aqui pela rede, mas vejo que sua mãe também gosta ou, se não gosta, ela gosta muito é de você, da sua companhia.
    Incrível, incrível! Todas estas peripécias que enfrentaram foi compensada com a beleza e magia do lugar. Suas fotos estão maravilhosas e deu pra gente visualizar perfeitamente este lugar que eu gostaria muito de conhecer, mas não dá pra mim não, não tenho esse fôlego todo assim não.
    Você narrou com perfeição, parecia que eu estava junto nesta viagem. A-do-rei!
    Machu Pichu é o máximo mesmo.
    beijão carioca linda Marcinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Betinha,
      Fico feliz que você tenha viajado junto conosco a Machu Picchu :)
      Que graça seu comentário... adorei!
      Minha mãe, antes de ser aventureira, é uma grande companheira. Mesmo não gostando de frio nem sendo adepta ao esforço físico, ela me acompanha numa boa. O argumento que ela usa é que, se não for pelas viagens que ganhamos, ele nunca escolheria o roteiro sugerido...
      Então a viagem se torna uma oportunidade! E quem não gosta de ter oportunidade na vida?
      ;)
      Beijos amiga carioca!!!

      Excluir
  5. Marcita!!
    que viagem bacana, adorei ler este post inteirinho. Viajei com vocês duas.
    Menina que caos isso então? Podiam ler seu post viu...
    Fotos nem preciso dizer o quanto ficaram ótimas, o lugar ajuda muito né Marcita?? Que paisagem, my God!
    A foto da sua mamy com a sombrinha, lembrou minha mãe aqui nos passeios, fazia a mesma coisa... rs
    Por falar em mamys, que corpão sua mãe tem menina, lindona!!!!
    Flor te avisei lá no blog, próximo post será de Bamberg, surpresinha vindo...
    beijossssss linda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aninha,
      Sábias são nossas mães que sempre têm uma sombrinha na bolsa kkk. Confesso: fiz uso da sombrinha que ela carregava...
      Linda a viagem, né? Curti bastante!
      A paisagem é assim... uma coisa de outro mundo. Única no planeta. Uma delícia de se ver. Mas bem penosa para alcançar ;)
      Beijo querida!

      Excluir
  6. Lucky girl you had such a great weather including sunshine during your visit of Machu Picchu.
    Thanks a lot for your wonderful impressions, Mārcia.

    Here in central Europe we have the best summer ever after the lousy springtime. To find out if the weather outside my home country is as good as in Germany, I drove via Austria and Switzerland to the north of Italy yesterday. On passo San Bernadetto we had rain and cooler temperatures, but everywhere else the weather has been really gorgeous!
    Kind regards from a short business trip to Italy, in two hours I wanna pick up five colleagues from India at Milan Malpensa airport! :-)
    Cordiali saluti, Uwe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. I was indeed very lucky, Uwe... It rained in MP 3 days in a roll, previous to my visit. Lets say I took the sun along with me!
      What a place! You would go crazy with your photo cameras there. The Nature, that you like so much to photograph, would amaze you in all kinds of ways.
      Uwe would sunbathe so much (withouht realizing it) that his skin would look like a tomato.
      Have a great journey to Italy my friend!
      Come back with beautiful landscapes!
      Cheers
      Márcia

      Excluir
  7. Marcinha, com certeza você conseguiu nos mostrar o quanto esse lugar é lindo! ADOREI viajar aqui contigo! Suas fotos estão de tirar o fôlego e apesar dos pesares, vejo que essa foi uma viagem e tanto pra vocês. Que lugar encantado! Quero ir também amiga!!!! Quem sabe um dia, daí já vou preparada pro perrengue! rsrs
    Um beijo e ótima semana pra ti!
    Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aninha, dou toda a força para você e para qualquer pessoa que queira visitar M.P. É incrível. Mas o lado B da viagem deve ser considerado, sabe... As revistas de viagem só mostram o lado lúdico... E como sabemos, há o lado P de perrengue kkk.
      Eu já disse pra mim mesma que não volto lá de jeito nenhum. É um lugar que visitei, gostei demais, mas não tenho a mínima vontade de voltar...
      Só não digo que nunca voltarei porque você sabe... Nunca diga nunca.
      Beijo querida!

      Excluir
  8. Estou igual ao Jájá....Tô doída, tõ doida, tô doidaaaa....!!!
    Engraçado que muito antes de começar a viajar, em meus sonhos o primeiro lugar que eu queria conhecer era Machu Pichu...
    Principalmente depois de ter conhecido Algumas Piramides do México...A história desses povos é fora do comum, com poucos recursos eles levantaram grandes cidades....
    Amo tudo isso!

    Marcia, um dia eu vou!

    bjos bjos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vá mesmo, Dani!
      Pelo que você escreve, é um desejo (sonho) antigo conhecer Machu Picchu.
      Isso torna a viagem muito significativa pra você!
      Concordo plenamente contigo: é fantástica a obra e a construção dos povos incas / maias.
      Bjim

      Excluir
  9. Beleza pura isso!
    Olha, admiro você, admiro pessoas aventureiras! Meu Deus o que vcs enfrentaram! Mas valeu a pena, esse lugar é mágico. Sem falar nas fotos, que são um departamento à parte, parabéns, estão maravilhosas e reais. O texto também achei ótimo, uma narração "da hora". Obrigada por brindar a gente com essas coisas tão belas. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Marli,
      Obrigada pela visita e pelo comentário. Adoro compartilhar os relatos de viagem aqui no blog, tanto para ajudar futuros viajantes quando para mostrar um pouco das minhas impressões.
      Quanto a aventura, menina eu sofro com essa característica... kkk.
      Bjim
      Márcia

      Excluir
  10. Oie Marcia, que lugar lindo!!! me encantei com Machu Picchu qdo vi na novela amor a vida, achei o lugar incrivel demais!!
    Parabens, pelas fotos lindissimas!!! Fiquei encantada com o lugar, que embora nao tenha organizacao pelo menos tem beleza natural de sobra hehe.

    bjiimm e otima semana

    http://meuamorpaquistanes.blogspot.ie/

    http://www.lencos-e-aderecos.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andreza,
      Quando assisti ao primeiro capítulo da novela fiquei surpresa e muito entusiasmada por ver um pouco de Machu Picchu na tela. As cenas de Cusco me despertaram muita curiosidade, que eu sanei nos dias em que estive lá.
      A beleza natural sobra mesmo, querida... E com certeza faz o cansaço da viagem valer a pena!

      Excluir
  11. Bamberg já esta lá pra você.... rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Linda demais a postagem querida, mil vezes Danke Schön!

      Excluir
  12. Olá Marcia, sou leitora antiga do seu blog, mas nunca comentei.

    Mas após ler esse seu post, resolvei comentar só prá adicionar que o seu relato da realidade, foi a realidade que você viveu. Fui em Outubro para Lima, Cusco, Machu Picchu, Nazca, Paracas, etc com um grupo de 8 amigos. A logística para 8 pessoas foi complexa, tivemos que comprar tudo com 3 meses de antecedência para conseguir casar data de vôo, com hotel, com passagem de trem, com tickets de entrada dos sítios arqueológicos, com restaurantes entre outras coisas.

    Talvez, pela época em que você foi, o passeio de trem e a entrada no sítio de Machu Picchu tenham sido desorganizados, pois na época em que fui, não tive problema algum. Acesso e ingresso ao trem no horário (por Poroy na ida, e retorno por Ollantaytambo), entrada e passeio no sítio de Machu Picchu sem muitas pessoas, banheiro (pago) limpo e vazio.

    Realmente, o mini-ônibus é uma aventura à parte. E a cidade de Águas Calientes é muito simples, mas nada incomum face à periferia de São Paulo.

    Em Cusco agendamos os translados para os sítios arqueológicos ao redor de Cuzco, e confesso, o Peru é um país cheio de cultura. Já viajei muito o mundo, já morei na Alemanha por 6 anos, e não viajava pela América Latina por não ter muito interesse. Leda ignorância minha. A América Latina tem lugares incríveis, e o Peru, é um país que merece muitas viagens - porque em 1x somente, não dá para ter idéia que são surpreendente ele pode ser.

    Você foi ao Restaurante Rosa Náutica? :)
    Esse vale uma visita se voltares ao Peru.

    Abraço, Juliana,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Juliana,
      Obrigada pelo comentário e pelo relato da sua experiência positiva (e enriquecedora) no Peru!
      Você visitou o país na baixa estação, eu na alta, e isso explica algumas das diferenças que presenciamos no acesso a Machu Picchu. Pelas fotos que tirei e intencionalmente publiquei para validar minha escrita, é possível perceber que havia muita gente embarcando numa estação de trem precária, e que a estrutura em Águas Calientes não é das melhores. A fila do banheiro em M.P., que por sorte estava vazia na época em que você visitou, tinha aproximadamente umas 20 mulheres quando eu fui e se estendia até o ponto de espera dos ônibus. Quanto à limpeza, concordo contigo: o banheiro estava nos trinks. Mas quem está apertada corre o risco de fazer xixi nas calças antes de chegar à latrina limpa.
      Deixei claro na postagem que a despeito da dureza do trajeto, M.P. é uma paisagem única no mundo e vale muito a visita. No entanto, reitero que o passeio é cansativo e, na alta estação, pode render várias aporrinhações... Mas nada que o bom humor do turista curioso não seja capaz de relativizar...
      Ju, todos os relatos de viagem que eu compartilho no blog refletem a minha opinião e a minha experiência. Como você bem disse, relatei a realidade que eu vivi. E não tenho a pretensão de achar que minhas impressões são as únicas possíveis. Você acrescentou um comentário valioso à postagem, descrevendo um acesso tranquilo e “smooth” a Machu Picchu. Isso enriquece a discussão e atesta que as impressões divergem de pessoa para pessoa, de época para época, de olhar para olhar.
      O que vi no Peru foi suficiente para aquietar minha curiosidade. Para mim, é hora de alçar outros voos na América Latina. Mas se para você a primeira viagem ao Peru foi só o começo, vá fundo, explore, perue quantas vezes achar que deve :)
      Menina, não fui ao Rosa Náutica... Vi o restaurante da praia e achei a estrutura belíssima!
      Mas optei pelo Astrid y Gastón ;)
      Beijo Ju!
      Márcia

      Excluir
    2. Oi Márcia!
      Na verdade, eu concordo com você que viajar nessa condição não é a melhor. Eu só quis comentar para mostrar que, se a pessoa pode programar com antecedência as férias, ela consegue conhecer Machu Picchu numa época mais amena. É um lugar super turístico, e embora eu não tivesse problemas com superlotação, o sítio de Machu Picchu tinha um movimento grande - o que foi bom para desacelerar o passo face à tantas escadas. A época em que fui, era feriado no Brasil, muitos brasileiros que conheci no trajeto de Machu Picchu tb encontrei nos passeios ao Vale Sagrado, à Pisac, Ollantaytambo... foi engraçado.
      Bjos! Juliana

      PS. Apaguei o primeiro comentário pq ficou faltando uma palavra que mudava o sentido de uma das frases :)

      Excluir
    3. Márcia, vc conseguiu carimbar seu passaporte (com o carimbo de Machu Picchu) na saída? :)

      Excluir
    4. Ahhh Ju, detalhe bem lembrado!
      Vou fazer um petit post sobre o carimbo, achei um mimo sem precedentes!
      Bjo!

      Excluir
  13. Viagem maravilhosa. Sonho em fazer............

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Aproveite a paisagem e deixe um comentário! Enjoy the landscape and leave me a comment ♥

Postagens mais visitadas deste blog

Festa na floresta ~ A pink safari party

Fim de semana passado foi a vez da mais nova integrante da família celebrar seu aniversário. Nathália, minha sobrinha e afilhada, completou 2 aninhos de idade numa festa pra lá de linda. Os bichinhos da floresta vieram em peso pra festa porque o tema da decoração era um "Safari Rosa". Tigresas, elefantes, girafas, macaquinhas e outros "animais" enfeitaram o salão com uma graciosidade pensada nos mínimos detalhes. As samambaias, árvores e folhas trouxeram o clima acolhedor da floresta, ao passo que os balões rosa e a forração com print animal deram um tom feminino da decoração. ♥ Last weekend my niece Nathália celebrated her birthday. Her party was planned under the motto "Pink Safari", and every detail was nicely thought and done to match some kind of a girly forest. I shall explain to my foreign readers that kid's parties can be big events in Brazil. In terms of planning, size and budget, kid's parties can be compared with small weddings. You wil…

As namoradeiras de janela ~ Brazilian folk art

Português/English Reza a lenda que as esculturas das namoradeiras retratam as moças de antigamente que se debruçavam na janela em busca de um namorado, já que suas famílias eram conservadoras e as privaram de sair de casa para conhecer rapazes. 
Com um braço apoiado na janela e o outro segurando o rosto, as namoradeiras representavam nitidamente uma espera - a espera pelo grande amor de suas vidas.  Privadas da liberdade, as namoradeiras caprichavam no visual para atrair bons partidos. Os lábios carnudos, os decotes sensuais e os olhares sonhadores eram as armas de sedução das namoradeiras.  Embalados pela lenda e pelas armas de sedução femininas, artesãos de todo o Brasil reproduzem esculturas de namoradeiras belíssimas.  Algumas esculturas têm um olhar doce e sonhador, outras têm um olhar capcioso, quase pecaminoso. É a arte imitando a vida... ♥♥♥ Once upon a time Brazilian girls brought up in the countryside were forbidden by their strict parents to go out and flirt with boys. Left w…

Fotos pulando ~ Jumping pictures

Fotografia é expressão. Fotografia é registro. Fotografia é diversão.  Além de gostar de fotografar, edito livros de fotografia que retratam, na maioria das vezes, viagens.  E através das fotos eu percebo que as pessoas têm um certo padrão na hora de fotografar, padrão que se reflete nas poses preferidas, ou até mesmo, nas poses "caricatas".  A pose caricata do meu irmão é hilária: ele se deita nos bancos das praças, como se estivesse dormindo, e pede para alguém fotografar a cena. Não há uma viagem sequer que ele não fotografe um "soninho fingido" no banco da praça, kkk.
Outra amiga-cliente ama fotografar, juntamente com o namorado, a pose do "cavalinho" das quadrilhas. Eles juntam as mãos e saem em disparada, dando pequenos pulinhos... Dá pra imaginar a cena em frente ao Coliseu na Itália? A foto ficou um colosso!
Minha irmã gosta de posar para fotos com o pescoço levemente jogado para a direita. Minha mãe geralmente coloca as mãos na cintura. Já a cria…