20 de mar de 2016

Velhos jardins, novos olhares ~ Old gardens, new approaches

A correria do trânsito (e da vida) me tirou a oportunidade de observar com mais sensibilidade um pequeno canteiro florido que existe indiferente a olhares e pouco se importando com a valorização de sua grandeza. 
Mas foi o mesmo trânsito - dessa vez parado - que me possibilitou um momento de contemplação a esse canteiro florido pela janela do carro. Percebi naquele pequeno espaço de terra uma riqueza enorme de cores, todas oriundas de uma mesma espécie de flores: os crisântemos, notoriamente conhecidos pela fartura de pétalas. 
Decidi que se o sábado amanhecesse ensolarado, tiraria minha máquina fotográfica do ostracismo e faria algumas fotos no canteiro.
Eis que o sabadão nasceu ensolarado e aproveitei a luz da manhã pra fazer as fotos. 
Olhado de longe, aquele canteiro parece um amontoado confuso de flores - algumas já secas e outras ainda desabrochando.
Olhado de perto, aquele canteiro é uma explosão de vida, um oásis de cores, uma ceia farta de cenas suaves e delicadas.  
Me embrenhei dentro do canteiro e fiquei um tempo agachada lá - parecendo uma doida varrida depositando necessidades básicas - mas pouco me importando com a leitura dos transeuntes e motoristas. Eu queria que a natureza se acostumasse com minha presença - e eu com a presença da natureza. E dessa aproximação surgiram cenas lindas... 








Tudo é questão de ajustar as lentes da alma, não é?
Para conseguir observar novas belezas nos lugares de sempre.


"A flor do sentimento cresce
Onde nada vingaria
Num coração deserto
Ou na escuridão de um dia
Breve flor tatuada
No coração de quem espera
Durador o inverno
Frágil primavera"

~ Márcio Faraco
♥  ♥  

14 de mar de 2016

Lanchinho no hotel ~ Eating a self made snack at the hotel room


Que atire a primeira baguete quem nunca comprou alguns ingredientes no supermercado e preparou um lanchinho no quarto de hotel!
Se não foi o pão e o presunto, pelo menos a água mineral mais barata você deve ter comprado no supermercado... Ou o refrigerante... Ou a batata Pringles...  
Me recuso a acreditar que sou a única turista farofeira a fazer essas coisas... 
Hum, está se lembrando de algo? Ao invés de consumir aquele chocolate caro que o hotel exibia encima do frigobar, achando que você é besta, você comprou um igualzinho na rua e comeu no quarto de hotel?!? 
Bate aqui, somos do time das pessoas normais!
Vários motivos nos levam a comprar coisas fora do hotel para consumir dentro do quarto. Podemos ser motivados pela economia, pela praticidade, alguns pela restrição alimentar, outros pela preguiça de sair pra comer... Cada turista tem seu motivo. 
Eu tenho vários, a começar pelo instinthus farofeyrus que carrego dentro do peito kkkkkkkk.
Brincadeiras à parte, o que mais me motiva a comprar bebidas e alimentos fora do hotel e consumir dentro do quarto é economizar mesmo. Sei que hotéis monetizam com o consumo interno dos hóspedes, e não há absolutamente nada de errado com isso. Mas quando eu posso pagar mais barato pelo mesmo produto, eu não titubeio.
O segundo motivo é a simples vontade de consumir produtos que são ofertados em mercados, supermercados ou vendinhas. Ao invés de comer na rua, levamos os produtos para comer no quarto do hotel. Simples assim.
Quando estivemos na Itália, em nossa lua de mel, fizemos um lanche muito bacana no quarto da vinícula em que nos hospedamos. 
Era época de colheita, e as uvas brancas estavam incrivelmente grandes e doces. Abri a bolsa e colocamos a maior quantidade possível de uvas dentro dela. Levamos as uvas sequestradas para o quarto. 
Fizemos os passeios do dia e, antes de voltar para o hotel, passamos no supermercado. Quase enlouquecemos com tantos pães, queijos, presuntos e embutidos de altíssima qualidade e preço muito acessível. Ah, nenhum jantar de hotel seria mais top do que um sandwiche de presunto de parma, queijo produzido localmente e aquela foccaccia... Pra arrematar, compramos também azeite, manteiga e um vinho Chianti.
Preparei nosso banquete sobre a cômoda e fizemos uma memorável refeição, farta de todos os ingredientes que queríamos consumir naquele dia. De sobremesa: as uvas colhidas pela manhã. Isso sim é chique!

Às vezes o lanchinho no quarto do hotel não é só questão de economia, é também uma maneira descomplicada de consumir e saborear produtos locais quando a fome bate. 
Agora me conta o que você apronta nas suas viagens, vai!!! Rola lanchinho no quarto?

♥  ♥